Entenda porque proteger seus documentos e seus diplomas

Até que ponto um documento é seguro?
Os falsários estão sempre em atividade, buscam sempre e a todo custo novos recursos para se tornarem mais poderosos. As técnicas científicas de falsificação e adulteração se tornam mais sutis e seu emprego está cada vez mais intenso, por isso os fabricantes de impressos de segurança devem ter a responsabilidade de pesquisar, criar e desenvolver meios e técnicas que tornem os documentos sempre atualizados e seguros.

O que é falsificação?
Efeito de falsificar, imitar, alterar com fraude, reproduzir imitando, contrafazer. Diz-se que um documento está falsificado, quando foi reproduzido, copiado ou simulado.

A falsificação é caracterizada pela adulteração de um documento. Como, por exemplo, alterar o nome, valor, data ou quaisquer outros dados de um cheque e demais documentos.

O Instituto de Criminalística de São Paulo codificou os tipos de falsificações utilizando o código CADS: contrafação, alteração, duplicação e simulação.

Entenda no que consiste cada código:

Contrafação: Constitui-se na reprodução em massa de qualquer documento em sua íntegra. Geralmente este tipo de falsificação é feito em pequenas gráficas e os documentos preferidos destes estelionatários são vales refeição, notas de real, vales transportes, dólares, etc.

Alteração: Ocorre quando somente parte do documento é alterado, preservando a maior parte do conteúdo original, e pode ser efetuada através de rasura, acréscimo, duplicação, recorte.

Duplicação: É a reprodução parcial de um documento que normalmente é efetuada com a ajuda de scanners e copiadoras coloridas.

Simulação: É a substituição de um elemento constante de um documento (número e/ou palavras), para a inserção de outra informação que seja de interesse do fraudador.